Lauro de Oliveira Lima e a Inteligência do Brasileiro

Visite nossa página no Google+


Na década de 70, Lauro de Oliveira Lima denunciou que o Brasil era um país ainda dominado pelo coronelismo das instituições públicas e sociais. Estamos em 2014 e nada mudou. As instituições continuam vendo o povo como incapaz. Seria necessária uma intervenção da ONU para libertar o povo brasileiro do domínio político das instituições. A educação continua vigiada, perseguida e mordaçada. Recentemente, o Congresso Brasileiro decidiu que o povo ainda não tem maturidade para exercer a liberdade de ir votar ou não. Fecharam a questão no voto obrigatório, mantendo a população condicionada ao que eles querem e acham melhor para si mesmos. Esse autoritarismo dos integrantes do Congresso Nacional praticamente chamou o povo brasileiro de burro e ignorante, muito embora o professor e escritor Lauro de Oliveira Lima, mesmo perseguido e vigiado pela ditadura do militarismo, tenha mostrado que a inteligência dos analfabetos para entender de futebol era uma demonstração de que todo analfabeto é portador de capacidade para aprender e que a função da educação é descondicionar o que está condicionado. Não estou questionando a vergonha de ser obrigado a votar, mas o juízo que o Congresso Nacional fez da capacidade das pessoas, concluindo que o povo brasileiro ainda não está preparado para decidir se quer votar ou se não quer votar. O que mais nos parece é que o político brasileiro não está preparado para legislar, isto sim, e nem evoluiu com os intelectuais da ditadura. Numa conversa que tive com o Professor Lauro, na década de 70, ele enfatizou que a pessoa nunca está intelectualmente pronta, terminada, acabada e que o processo de aprendizagem é contínuo. A educação é processual. Quando o Congresso Nacional decidiu que o povo não está preparado para exercer o voto livre, simplesmente impediu-o de ter a liberdade para aprender, colocou-o sob cabresto para que evoluir e não aprender. Arbitrou por conta própria que o povo é incapaz de exercer a cidadania do voto, tendo, portanto, que ser obrigado a fazê-lo sob punições de multa e perda da cidadania. Mas precisamos chamar a atenção para as observações do professor Lauro de Oliveira Lima no sentido de que o analfabeto não só é capaz de decorar e aprender tudo sobre futebol e sobre seus interesses próprios, mas também de exercer o voto livre. Na floresta brasileira, mesmo antes do Descobrimento do Brasil, os índios foram capazes de catalogar as plantas medicinais e descobrir a função curativa de cada uma delas. Logo, toda pessoa é portadora de capacidade para aprender. Todavia o Congresso Nacional decidiu que o povo brasileiro não tem o direito de exercer o voto livre porque não está preparado. Se o analfabeto não deixa de cuidar da família, vai deixar de ir votar quando tiver que escolher seus candidatos? Óbvio que não! E o Lauro de Oliveira Lima demonstrou que a pessoa sempre está pronta e preparada para aprender, o que ela nunca está é acabada e formada. É muito vulgar a interpretação que as instituições brasileiras fazem da inteligência do povo. A verdade é que todo analfabeto é um Einstein em potencial. 
***** Este é um texto do livro LAURO DE OLIVEIRA LIMA, do escritor Marco Aurellio Dias.

EPUBLICAR - Livros, EPUB, reportagens, Ciência
Página do Jornal O Dias no Google Plus Epublicar é uma livraria online que disponibiliza obras literárias de fundamental importância para a informação e a evolução do ser humano. Perfil do Epublicar no Google Plus