Igualdade social só no dia de São Nunca

Visite nossa página no Google+


São Nunca

As pessoas éticas e corretas realmente tem razão quando argumentam que os doutores, os políticos e os empresários justificam os altos ganhos pelo fato de terem estudado e investido muito dinheiro nos estudos. Sim, concordamos, mas sabemos que tiveram oportunidade para estudar, a maioria deles nasceu em família que tinha condições financeiras para bancar os estudos dos filhos. Não fosse isso, se admitirmos que os pobres devem mesmo ganhar salários insignificantes, como eles terão oportunidade para estudar e se formar médicos, vindo, por exemplo, a ganhar 400 reais por uma única consulta de alguns minutos dentro de um consultório de ortopedia? Nunca, certo? E assim a roda viva do egoismo estará mantendo a desigualdade no mundo. Pois se os ricos continuam se formando e os pobres continuam sem condições de frequentar as faculdades, em que dia teremos "um mundo melhor para todos". Só se for no dia de São Nunca, não é mesmo? Outros ainda argumentam que a desigualdade social e de renda não é mais problema porque o governo brasileiro está incluindo os pobres através de projetos sociais como "bolsa família", "minha casa, minha vida", o "SUS", etc. Sim, o governo federal dá uns trocadinhos para os inscritos no "bolsa família" e pega de volta a metade do que dá com a cobrança de altos impostos embutidos no preço dos alimentos. Os pobres do "bolsa família" continuam eternamente na pobreza. Portanto, não se trata de um projeto para erradicar a desigualdade social e de renda. E outros ainda dizem que pobreza e riqueza são uma questão de carma. Segundo essa tese, o pobre nasceu com carma de pobre, enquanto que o rico nasceu com carma de rico. Nada a fazer! Lembram da disputa e do ódio acirrado quando tramitou o projeto de distribuição dos royalties do Pré Sal para todos os estados brasileiros a fim de ajudar os municípios pobres a saírem da pobreza? Pois é, os estados ricos foram contra. Logo, pobreza não se trata de carma, mas de injustiça social. Afinal, a escravidão no Brasil foi o efeito do carma negativo dos negros africanos ou foi um processo de injustiça social implementado pelo governo de Portugal? A injustiça social e a má distribuição de renda não são carma dos pobres, mas egoismo dos ricos, do Legislativo, do Judiciário, do Executivo e dos políticos, bem como, de certa maneira, omissão dos pobres.

EPUBLICAR - Livros, EPUB, reportagens, Ciência
Página do Jornal O Dias no Google Plus Epublicar é uma livraria online que disponibiliza obras literárias de fundamental importância para a informação e a evolução do ser humano. Perfil do Epublicar no Google Plus